Fashion Revolution

Grandes nomes estão por trás das peças que contribuíram com grandes mudanças no vestuário feminino tornando-se um reflexo das questões sociais, políticas, religiosas e morais de diferentes épocas na história da humanidade. Em meio a estas tendências, podemos conhecer os processos evolutivos da moda, tais como as minissaias, os blazers, as calças e saias com caimentos fluidos em uso até os dias de hoje.


Podemos notar a presença das mudanças durante um acontecimento "desde que o mundo é mundo, a moda inspira e reflete", acrescenta Érica Minchin, consultora de moda imagem. Graduada em Gestão de Negócios da Moda pela Unisanta, Erica vê as criações como consequência dos movimentos da moda. "O Paul Poiret não libertou a mulherada dos espartilhos, ele percebeu esse movimento e fez isso nas suas coleções", exemplifica.

Paul Poiret

Historicamente, desde o início, o uso de roupas não estava ligado somente à necessidade de proteção contra agressões externas e o frio, mas também constituía um adorno que ajudava o homem, inclusive a se impor sobre os outros animais.

"Viemos da folha de parreira, passamos pelas togas (romanas e gregas) e evoluímos para armaduras, blusas, calças, até chegar a mais complexa, o sutiã, enfim, uma evolução que dia após dia apresenta inovações", comenta Camila Gonçalves, professora de moda no Senac Vila Prudente. A profissional de moda durante a entrevista destacou Charles Frederick Worth, idealizador da alta costura e o estilista mais importante da contemporaneidade. "Ele percebia como ninguém os anseios de suas ricas clientes, contratava mulheres (modelos) fisicamente parecidas com elas, fazia roupas direcionadas para atendê-las e então apresentava para as peças nas modelos.

Outro nome que contribuiu para impulsionar melhorias foi Dior após o fim dos anos de guerra nos anos 1940 ao lançar o New Look incentivando o retorno da feminilidade perdida quando a mulher de suprir demandas de casa, mercado de trabalho, sustento da família, etc.
New look

Para finalizar, a década de 60 era caracterizada por grandes revoluções comportamentais, haja vista o auge da época, as minissaias, invenção da estilista Mary Quant que afirma: "eu não inventei e sim a rua inventou". 
As mulheres de mini saia, invenção de Mary Quant


Caroline Trevisan

You May Also Like

2 comentários

  1. Formidável!! Parabéns pelo texto, vc tem um lindo dom de escrever e escrever bem! Que Deus abençoe e te ilumine ainda mais!!! Beijos!!!

    ResponderExcluir