Solidão...



Era uma vez uma menina que sempre via o pai trabalhando e com pouco tempo para ficar com ela e a esposa, então deixava a responsabilidade de companhia para a filha. Sim, ela recebia as amigas em casa e tal, mas quando cresceu ainda tinha de cumprir o seu papel de ficar com a mãe para não deixá-la sozinha.
Essa palavra “sozinha” sempre me amedrontou e eu tentava ao máximo fugir para não acontecer comigo, mas não adiantou e eu sempre pude experimentar como é estar assim independente do momento ou do tempo. 

Quantas vezes deixamos de fazer algo por querer estar com alguém por perto? Ir ao cinema sozinho, por exemplo, é estranho e ao mesmo tempo bom para assistir realmente ao filme, refletir, observar, aprender, conhecer novas pessoas, etc. 

Nada acontece por acaso e ao sentir o gosto amargo e sombrio da solidão, pude perceber o doce prazer e a maturidade obtida depois de tanta dificuldade na parte emocional com choros, desesperos, inseguranças, mal-estar e a autoestima baixa.   

O resultado? O autoconhecimento.  Ele será bem útil nas escolhas e evolução tanto pessoal quanto profissional. 

A leitura é um meio, assim como a prática de atividades, o convívio social, a observação e análise crítica sobre um determinado momento e as reflexões. Outra maneira é assistindo filmes e ouvindo músicas incentivadoras. Uma das minhas preferidas é a The Climb cantada pela cantora Miley Cyrus no filme da Hannah Montana. 


Para quem não sabe as duas eram a mesma pessoa e a cantora vivia um dilema por dar vida à personagem Hannah e ao driblar a imprensa escondendo a sua verdadeira identidade.
A letra expressa uma braveza e perseverança incrível em nunca deixar de acreditar nos próprios sonhos e realizá-los. 

Incentive o seu autoconhecimento e comente aqui essa experiência conosco.

Beijos
Até a próxima


Caroline Trevisan


You May Also Like

2 comentários

  1. Oi Carol, muito relevante esse tema "solidão", me identifiquei muito
    (risos). Acredito que eu tenha um pouco de propriedade no assunto.

    A solidão, sem vitimismo, nos traz a oportunidade de descobrir em nós mesmos a potência que somos.

    Dentro das minhas experiências passadas, descobri que eu era resiliente e que sou uma gigante diante dos desafios que a vida me impôs.

    Com 16 anos perdi meu pai em um bruto assassinato. Em seguida, o peso das escolhas levou também minha mãe para longe. Minha única irmã já morava fora do país há quase dois anos, e não pode vir me buscar. Enfim, minha família se resumia na tal solidão, nas músicas e no trabalho... Muito trabalho, aliás, pois eu tinha que me sustentar. Afinal, não tinha mais meus pais.

    Já mulher formada, construí minha família e outra vez, em um acidente de trânsito, fiquei viúva. E lá estava novamente em minha porta a solidão e a tristeza de alma.
    Dentro de todo esse cenário, fui forjada uma mulher forte, resiliente e guerreira, como quase todas as pessoas que me rodeiam e conhecem meus comportamentos diante das dores, perdas, desafios ,luto e até mesmo traições. Elas sabem como encaro tudo isso! Sem mimimi...

    Fiz questão de deixar esse comentário. Para contribuir com vidas que talvez possam estar vivenciando essa tal solidão, em suas camas, salas de TV e nas mesas de alimentação. "Sempre sozinha"!

    Cara amiga (o), a solidão não é a morte que mata aos poucos dia após dia, sem às vezes ninguém nem perceber.

    A solidão é a escada para você subir e enxergar um cenário mais amplo, diferente do que todos os outros enxergam.

    A solidão te permite descobrir a fortaleza que existe dentro de você, valorizar as pequenas coisas, que para nós, que sentimos solidão, são tão grandes, verdadeiras e valiosas.

    Sentimentos que, muitos que estão no automático da vida, não percebem. A valia do companheirismo e do momento presente de pessoas conversando, sorrindo e até mesmo brigando porque demoram no banheiro. Filhos, irmãos, pai e mãe ao redor da mesa...

    Vale a pena ressaltar que a solidão também te faz errar muito! Te faz dar passos precipitados. Enfim, a carência também é perigosa.

    Pense nisso !
    Beijos
    Sabrina Barros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Sabrina,
      Realmente a solidão caminhou sempre ao seu lado e é muito bom você ter compartilhado conosco esse aprendizado, pois é importante vermos o lado bom das coisas para evoluir cada vez mais.
      Obrigada pelo comentário e aviso.
      Beijos

      Excluir